NoFront

 O que é inflação?

Você com certeza já ouviu falar sobre a inflação! 

Não? Sabe aquela sensação de que as coisas vão ficando mais caras e de que seu dinheiro parece que já não vale mais nada? 

Como quando você vai ao mercado e percebe que não consegue fazer uma compra com R$50,00 como fazia uns anos atrás, ou quando você vai à padaria de manhã e não consegue mais comprar um pacote de pão com aquela sua moeda de 1 real?

Tudo isso acontece por conta da inflação! E hoje eu vou te explicar um pouco mais sobre como ela funciona, porque uma coisa é certa: a inflação impacta diariamente nossas vidas, e a educação é uma forma de se preparar para enfrentar as adversidades que surgem! 

Aqui você vai ver:

  • O que é a inflação?
  • Tipos de inflação
  • A Inflação no Brasil
  • Conclusão

O que é inflação?

De forma direta, a inflação é o aumento generalizado dos preços de bens e serviços ao longo do tempo.

Em outras palavras, a inflação ocorre quando as coisas que compramos – a comida, o aluguel, a gasolina, ou o quer que seja – ficam mais caras! Porque na sociedade em que vivemos, tudo pode ser afetado pela inflação! 

O efeito direto da inflação nas nossas vidas é no nosso bolso, pois o nosso dinheiro passa a valer menos, através do que chamamos na economia de perda do poder de compra. Quanto mais coisas conseguimos comprar com nosso dinheiro, maior é o nosso poder de compra. E quanto menos coisas conseguimos comprar, menor é o nosso poder de compra.

Para a população preta e periférica, a inflação é sempre um problema maior, pois quando se recebe menos, a inflação é ainda mais perigosa!

O IPCA

No Brasil, o principal indicador da inflação é o IPCA, ou Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. O IPCA é calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e é medido a partir do preço médio de uma cesta de produtos e serviços de consumo pessoal das famílias brasileiras. 

A população-objetivo do IPCA abrange famílias que recebem entre 1 e 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e que residem nas principais áreas urbanas do país. Por abranger faixas de renda tão diferentes é que se diz que o IPCA considera o consumidor amplo.

O cálculo do IPCA é feito mensalmente através da coleta de dados de estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, além de concessionárias de serviços públicos (como água e coleta), além dos serviços de internet. 

Os produtos dessa cesta são diversos e abrangem itens básicos, como o arroz e o feijão, mas também itens como lazer, mensalidade escolar e transportes. O peso de cada um desses itens é diferente, justamente porque os gastos com esses produtos variam. De modo geral, itens como alimentação, transportes e saúde têm peso maior do que vestuário ou educação.

Tipos de inflação

Agora que você já sabe o que é inflação, é importante que você entenda também que existem diversos tipos de inflação. Saber sobre os diferentes tipos de inflação vai te ajudar a acompanhar melhor o noticiário e a se orientar, caso esteja pensando em investir em títulos indexados à inflação.

 

Existem diversos tipos de inflação, mas hoje vamos nos focar apenas em três delas: a inflação de oferta, a inflação de demanda e a inflação inercial! Elas são as três principais, e através delas você vai conseguir entender um pouco mais sobre os problemas que o Brasil tem enfrentado.

Inflação de Oferta

A Inflação de Oferta, também chamada de Inflação de Custo, ocorre quando a produção de um determinado bem ou serviço fica mais cara.

Aqui, várias coisas podem acontecer para que ocorra a inflação: o aumento nos custos de produção, devido ao aumento do preço de matérias-primas, a perda de uma safra devido a questões climáticas, uma política de aumento dos juros por parte do Banco Central…

Todos esses fatores podem fazer com que a oferta desse bem ou serviço fique mais cara, ou seja, que fique mais caro realizar, oferecer ou produzir esse bem ou serviço.

Vamos pensar em alguns exemplos para facilitar:

O preço dos alimentos

Você sabe, o Brasil é um dos maiores produtores de produtos agrícolas do mundo. E apesar disso, vivemos sofrendo com aumentos no preço desses produtos.

Diversas coisas tem acontecido para que isso ocorra. Um dos principais fatores é a questão do preço dos combustíveis, que devido à pandemia da Covid-19 e, mais recentemente, à Guerra entre Rússia e Ucrânia, ficaram mais caros. 

Mas o que o preço dos combustíveis tem a ver com o preço dos alimentos?

Bem, especialmente se você mora em alguma cidade, a principal forma de esses alimentos chegarem na cidade é através de caminhões, que utilizam diesel como fonte de combustível.

Então, quando o petróleo e seus derivados, como a gasolina e o diesel ficam mais caros, temos um aumento do preço dos alimentos.

O preço dos eletroeletrônicos

Se você tentou comprar um celular, um notebook ou algum outro eletroeletrônico nos últimos tempos, você percebeu que esses produtos ficaram mais caros. 

Aqui, novamente, a pandemia ajuda a explicar o que aconteceu. Devido à pandemia, empresas do mundo inteiro fecharam as portas – principalmente na China, onde a política de lockdown foi mais severa. E por conta disso, a produção desses bens diminuiu, o que fez com que eles ficassem mais caros.

Essa situação foi particularmente delicada, pois a demanda por esses bens não havia se alterado.

Ah, quer aprender o que é demanda? Então vamos para o próximo tópico! 

Inflação de Demanda

Se a Inflação de Oferta era sinônimo de aumento dos custos, a Inflação de demanda é sinônimo de aumento da procura por um determinado bem ou serviço. Ou seja, a inflação de demanda acontece quando a demanda por um bem ou serviço aumenta, sem que o mercado (as empresas e prestadores de serviços) consigam responder a esse aumento.

Podemos identificar um raciocínio por trás desse aumento dos preços: 

Imagine que você é comerciante ou produz um determinado produto, e que você percebeu que mais pessoas estão procurando por ele. Para garantir mais lucros, você decide subir o preço desse produto, já que provavelmente você encontrará pessoas dispostas a pagar mais por esse bem!

Note que a inflação de demanda, ainda que pese no nosso bolso, não necessariamente ela indica que a economia vai mal! Pelo contrário! A inflação de demanda pode ser um indicativo de que as coisas vão bem, e de que o poder de compra das pessoas subiu, e que por isso elas estão mais dispostas a comprar um produto!

O preço das máscaras e do álcool em gel

No início de 2020 vimos o preço do álcool em gel e das máscaras dispararem. O que explica isso?

Com o início da pandemia, de um dia para o outro, todo mundo precisava comprar máscaras ou álcool gel para se proteger do coronavírus. No entanto, as indústrias responsáveis por produzir esses produtos não tinham capacidade de produzir tanto álcool em gel e tantas máscaras.

O que se observou a partir de então foi um aumento generalizado do preço desses produtos!

Inflação Inercial

Por fim, vamos falar sobre a Inflação Inercial ou inércia inflacionária. Esse tipo de inflação é um pouco diferente das outras duas, pois ela se relaciona com processos especulativos e até psicológicos, que chamamos na economia de memória inflacionária

No caso da inflação inercial, vemos tanto a inflação passada quanto as expectativas sobre inflação futura agindo de forma conjunta. Como assim?

Digamos que um país passou por um longo período de aumento da inflação, de tal forma, que a expectativa que as pessoas têm sobre a inflação é de que ela continue subindo. O que comerciantes e produtores fazem nesse cenário?

Eles se antecipam, e mesmo sem saber qual será o valor da inflação no futuro, eles elevam o preço de seus produtos, para não terem mais prejuízos.

O que observamos aqui é um tipo de ‘inércia’, na qual o preço de bens e serviços sobem simplesmente porque já estavam subindo anteriormente. 

A Inflação no Brasil

O Brasil é um país com um histórico ruim quando o assunto é inflação. Se você nasceu nos anos 1960 ou 1970, deve se lembrar dos tempos da hiperinflação brasileira, na qual o preço dos produtos eram ajustados diariamente, e a inflação acumulada ao longo do ano superava a casa do 100%.

Essa pode não ser mais a nossa realidade, mas ainda enfrentamos problemas com a inflação – o IPCA acumulado dos últimos 12 meses (março/2021 à março/2022) foi de 11,3%, o maior índice nos últimos 28 anos. 

Vamos tentar entender um pouco o que acontece hoje no Brasil! E para isso, precisamos olhar tanto para fatores internos quanto externos.

Fatores Internos

Internamente, temos um governo que tem tomado decisões ruins e fracas com relação à inflação. Não vimos o governo tomar nenhuma atitude concreta com relação ao preço dos combustíveis, por exemplo. Pelo contrário, o Brasil segue praticando uma política chamada de política de Preços de Paridade Internacional, a PPI. 

Implementada durante o governo de Michel Temer, após o impeachment de Dilma Rousseff, essa política estabelece que o preço praticado pela Petrobras dentro do Brasil deveria acompanhar os preços internacionais, o que faz com que qualquer alteração externa afete diretamente o bolso de brasileiras e brasileiros.

Por conta dessa política o preço dos combustíveis têm aumentado muito! E como consequência desse aumento, vemos o preço dos alimentos subir, pois para chegar nos mercados e feiras, é preciso transportar esses produtos até as cidades. E com o aumento do preço do diesel, por exemplo, fica mais caro! E esse valor é repassado para o preço dos produtos!

Além disso, a crise hídrica, causada pela falta de chuvas, também encareceu o preço da energia – a energia hidráulica representa mais de 60% da matriz energética brasileira. A crise hídrica também afetou algumas safras, encarecendo ainda mais os alimentos.

Fatores Externos

Externamente, a pandemia da Covid-19 ainda impacta o mundo todo, principalmente com relação ao preço de commodities. E ainda que o Brasil seja um grande exportador, ele também é um grande importador, o que faz com o que o preço de diversos bens fiquem mais altos, principalmente os combustíveis e os fertilizantes.

O Brasil, apesar de ser um dos maiores produtores de bens agrícolas do mundo, é dependente da importação de fertilizantes. E a Rússia é o maior exportador de fertilizantes para o nosso país. Com a Guerra entre Rússia e Ucrânia, o abastecimento de fertilizantes no Brasil pode diminuir, o que eventualmente pode gerar problemas de inflação. 

Conclusão

A inflação é um fenômeno da economia e é preciso ficar ligado sobre ela, pois ela vai corroendo o nosso poder de compra, o que é um perigo, seja qual foi a sua situação financeira! 

A população preta e periférica costuma ser a mais afetada pela inflação, e por isso precisamos nos fortalecer e nos proteger da inflação! E uma das formas de fazer isso é se organizando e investindo em produtos que superem a inflação! Quer saber como fazer isso? Clique aqui e aprenda sobre investimentos vinculados à inflação! 

Agora que já conversamos sobre a inflação, comenta aqui embaixo qual foi o preço que mais te assustou nesses últimos tempos! Comente também suas dúvidas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content