NoFront

selic subiu

‘A Selic subiu’

A Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira, aprender sobre ela é importante pra você organizar sua vida financeira.

Você já reparou que de tempos em tempos surgem várias notícias falando sobre o aumento da taxa SELIC? Mas afinal, o que é a Selic? E por que saber sobre ela é importante? Vem com a gente, hoje vamos aprender sobre o que é essa taxa e como ela afeta a sua vida!

Aqui você vai ver:

  • O que é a Selic?
  • A Selic e a Política Monetária
  • A Taxa Selic hoje
  • A Selic e os Investimentos
  • Conclusão

O que é a SELIC?

A Selic, ou taxa Selic, é a taxa básica de juros da economia brasileira

A palavra Selic é um acrônimo para Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Esse sistema é administrado pelo Banco Central do Brasil, o BACEN, e é através dele que são realizadas as operações de títulos públicos diariamente por outras instituições financeiras.

O importante aqui é que você saiba que a taxa Selic serve de referência para a maior parte das taxas de juros praticadas no Brasil, o que significa que empréstimos, financiamentos e inclusive investimentos que você faz tomam como referência o valor da Selic.

Outra informação importante é saber que a taxa Selic é o principal instrumento que o Bacen tem para executar a política monetária do país.

E o que isso significa? 

Para responder essa pergunta, precisamos entender como funciona a política monetária.

A Taxa Selic e política monetária

Quando falamos sobre política monetária, estamos falando sobre as políticas que o governo brasileiro toma para controlar a quantidade de moeda em circulação na economia.

Por que o governo precisa controlar a quantidade de moeda em circulação? 

A quantidade de moeda em circulação é o que define o valor da moeda, e consequentemente, o preço de produtos e serviços – pois quanto mais barata a moeda, menos poder de compra nós temos, ou seja, menos podemos comprar; e quanto mais cara a moeda, maior o nosso poder de compra.

O governo controla a quantidade de moeda em circulação através da taxa de juros, o Conselho de Política Monetária, é o órgão do Banco Central criado para estabelecer a política monetária do país, através da manutenção da taxa de juros.

Funciona assim: 

Quando a inflação está alta, o Copom sobe a taxa Selic. 

Já quando a inflação está baixa, o Copom desce a taxa Selic.

Quando a inflação está alta, a preocupação do governo é a de diminuir a quantidade de moeda em circulação na economia. Para conseguir fazer isso, o governo sobe a taxa Selic. Dessa forma, o recado do governo é o seguinte: 

O crédito está mais caro, então só faça um empréstimo ou financiamento se for muito necessário! E se possível, não faça!

O objetivo do governo nesse caso é o de reduzir o consumo das famílias e consequentemente diminuir a inflação. Chamamos esse tipo de política de contracionista.

Por outro lado, quando a inflação está muito baixa, a preocupação do governo é aumentar a quantidade de moeda em circulação. Para isso, o governo desce a taxa Selic. Nesse cenário, o governo está dando o seguinte recado:

Essa é a hora de comprar mais! Com juros mais baixos, você vai conseguir comprar mais coisas sem se endividar!

 Agora o objetivo do governo é estimular a economia, incentivando as pessoas a consumirem… Esse tipo de política é chamada de expansionista.

A taxa SELIC hoje

A taxa Selic hoje é de 12,75% ao ano, valor definido após a última reunião do Copom, realizada em 04/05, quando o órgão decidiu subir a Selic 1%. Esse foi o nono aumento consecutivo da taxa Selic, levando-a ao maior valor da taxa dos últimos 5 anos. A taxa Selic é ajustada a cada 45 dias, nas reuniões do Copom.

Esse movimento de alta da taxa Selic faz todo sentido quando observamos a inflação do Brasil nos últimos meses, que vem subindo em um ritmo acelerado e atingindo o maior patamar dos últimos 28 anos. 

A conjuntura brasileira em 2022

O Brasil está num momento delicado e é preciso ter muita cautela!

Com a crise econômica e o aumento recente da Selic, o crédito no Brasil ficou mais caro, o que significa que empréstimos e financiamentos podem estar mais caros agora. Então, é importante ficar atento às taxas de juros que estão sendo praticadas! O momento é de atenção e disciplina, com a inflação nas alturas, é preciso tomar cuidado para escapar do endividamento. 

Com planejamento é possível atravessar esse momento de crise!

Inclusive, esse pode ser um ótimo momento para você começar a organizar sua reserva de emergência, pois a alta da Selic tem uma dimensão positiva pra quem está buscando investir em renda fixa!

A Selic e os Investimentos

A Selic, por ser a taxa básica de juros da economia, serve de referência não apenas para empréstimos e financiamentos, mas também para diversos investimentos, especialmente os investimentos de renda fixa. 

Os três principais investimentos afetados pela Selic são o Tesouro Selic, os investimentos de renda fixa indexados ao CDI e a famosa Poupança. 

Vamos entender como funciona essa relação!

Tesouro Selic

Quem já está ligade no mundo dos investimentos, com certeza já ouviu falar do Tesouro Selic

O Tesouro Selic é um título público indexado à taxa Selic, o que significa que quando a Selic sobe, o valor que esse título paga para os seus investidores também sobe! Em outras palavras, com o aumento da Selic, esse título passa a se tornar mais atraente.

A Selic e o CDI

Outros tipos de investimentos que são afetados pela alta da Selic são os títulos de renda fixa, especialmente aqueles que usam o CDI como indexador. 

Em poucas palavras, CDI é uma sigla para Certificado de Depósito Interbancário, e é o nome dado para os empréstimos realizados entre os bancos diariamente para que eles possam encerrar o dia com saldo positivo.

Existe uma determinação do Banco Central de que os bancos devem encerrar o dia com saldo positivo, e como nem sempre isso é possível, os bancos acabam obrigados a realizar empréstimos entre si, como uma forma de garantir a quantidade de dinheiro necessária para ficar no positivo.

O valor do CDI é o valor da taxa de juros praticadas entre os bancos nesses diversos empréstimos!

É interessante para os bancos que o CDI e a Selic tenham valores próximos. Se os bancos não subissem o valor do CDI quando a Selic sobe, seria mais interessante para eles emprestarem dinheiro ao governo (comprando títulos públicos) do que emprestando a outros bancos. O mesmo raciocínio vale para quando há uma queda da Selic, pois o CDI é usado de indexador para diversos investimentos de renda fixa, como os CDBs, as LCIs e as LCAs.

A Selic e a Poupança

Por fim, a Poupança também é afetada pela variação da Selic, pois a rentabilidade da Poupança é determinada diretamente pelo valor da Selic.

A rentabilidade da Poupança, isto é, quanto ela paga, é calculada através da seguinte fórmula: quando a Selic está abaixo de 8,5% a.a., a Poupança paga 70% da Taxa Selic + a Taxa Referencial. 

Por outro lado, quando a Selic está acima de 8,5% a.a., a Poupança paga 0,5% + uma Taxa Referencial (TR). Você não precisa se preocupar em como calcular o valor da Taxa Referêncial, mas é importante saber que com a Selic a 11,75%, a Poupança tem uma rentabilidade de 6,17% a.a.

Conclusão

Deu pra perceber que a Selic é de fato muito importante e que ela tem capacidade de afetar nossas vidas, né? Saber sobre ela pode te ajudar a se organizar e se planejar, tanto pra escapar de ciladas, quanto para que você consiga organizar seus investimentos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content